Introdução aos modelos de publicidade on-line

Se você é um anunciante e deseja saber como planejar seu orçamento para inclusão paga, a análise e a discussão a seguir fornecerão algumas diretrizes a esse respeito. Obviamente, esta seção apresenta os vários modelos de publicidade e deixa para as seções subseqüentes para ajudá-lo a preparar os orçamentos reais e definir lances para locais de inclusão pagos nos mecanismos de pesquisa.

Antes de nos voltarmos para os vários modelos de publicidade, é preciso notar que esses modelos variam em termos das necessidades específicas dos anunciantes, ou seja, se eles desejam pagar apenas por visitas ao site ou levá-lo a conversões em vendas ou a meio caminho entre estes dois em que eles gostariam de pagar por inscrições etc. em seus sites. Portanto, os anunciantes escolhem a opção que melhor lhes convém e estão alinhados com seu modelo de negócios.

CPC (custo por clique)

O custo por clique (CPC) ou o pagamento por clique (PPC) é uma forma de marketing na Internet em que os anunciantes pagam o mecanismo de pesquisa ou o editor dos anúncios sempre que os anúncios são clicados. É definido como o “valor gasto para obter um anúncio clicado”. O CPC também é definido como um “modelo de pagamento de publicidade on-line no qual o pagamento é baseado apenas em cliques qualificados”.

Normalmente, mecanismos de pesquisa como Google, Yahoo e Bing cobram dos anunciantes uma taxa fixa pelo CPC ou permitem que eles façam lances por inclusão paga.

O cálculo do CPC é feito da seguinte maneira:

Custo por clique = custos de publicidade / anúncios clicados.

Em outras palavras, o CPC para o anunciante é o custo obtido pela divisão do custo total de publicidade pelo número de vezes que os anúncios são clicados.

Por outro lado, o CPC baseado em lances implica um leilão privado, no qual a empresa do mecanismo de pesquisa ou o editor convida as partes interessadas a fazer lances para inclusão em seus mecanismos de pesquisa ou sites. O CPC com base em lances é um tópico separado para discussão e a mecânica desse modelo seria discutida em detalhes na seção referente a ele.

CPM (custo por milha)
O custo por milha é um modelo de publicidade popular usado por anunciantes na mídia e, enquanto discutimos os modelos de publicidade on-line, é definido como o custo para o anunciante para cada mil impressões. No mundo on-line, o CPM é obtido dividindo o custo total para o anunciante para cada mil visualizações de página que o site gera através dos usuários que navegam até ele na página de resultados do mecanismo de pesquisa.

O CPM é usado especialmente para calcular o ROI ou o retorno do investimento a partir da publicidade em diferentes mídias. Por exemplo, se um anunciante específico estiver executando várias campanhas de publicidade em diferentes mídias, o CPM fornecerá aos anunciantes uma métrica contável de quão bem o investimento está indo ou não. Além disso, no meio on-line, o CPM é amplamente usado para rastrear a eficácia de campanhas publicitárias que recorrem à inclusão paga em diferentes mecanismos de pesquisa.

CPA (custo por ação)
Vimos como os anunciantes optam por vários modelos de preços para o marketing em mecanismos de pesquisa e editores. Outra forma de precificação é o CPA ou o custo por ação, também conhecido como custo por conversão. Isso é definido como o custo associado ao anunciante com base nos usuários que executam uma determinada ação predefinida. Por exemplo, é comum que muitos sites solicitem que os usuários que clicam nos anúncios e cheguem às suas páginas iniciais se inscrevam em seus boletins, ou se registrem ou solicitem um contato.

No modelo de preços de CPA, o anunciante paga ao editor apenas quando os usuários executam a ação definida e, quando comparado ao CPC, que é simplesmente baseado em cliques, o CPA é mais eficaz em agregar valor ao anunciante.

Considere o número de vezes que você clicou nos anúncios patrocinados no Google ou em qualquer site em que você possa estar navegando. Quantas vezes você realmente executou uma ação nos sites a partir do clique e, em vez disso, simplesmente “se afastou” sem executar a ação desejada pelo anunciante. Enquanto o CPA é o que o anunciante incorre no primeiro caso e o CPC é o que o anunciante incorre no último caso.

Até agora, já era evidente que o CPA é mais eficaz do ponto de vista dos anunciantes do que o CPC.

CPL (custo por lead)
Agora que consideramos o CPA, é hora de procurar outra forma de precificação, que é a CPL ou o custo por lead. Embora o CPA e o CPL pareçam semelhantes, pois ambos se baseiam em uma ação ou lead que ocorre após o clique, existem algumas diferenças importantes entre eles.

Enquanto o CPA geralmente é determinado com base em uma transação elaborada, geralmente envolvendo usuários que enviam as informações do cartão de crédito, etc., o CPL é uma forma mais básica de precificação, onde o “lead” é ​​o que importa. Esse lead pode ser tão simples quanto deixar as informações de contato de alguém no site e também inclui uma inscrição básica ou solicitação de mais informações.

Além disso, a pesquisa mostrou que os modelos de CPL são centrados no anunciante, em que o anunciante mantém a opção de determinar onde seus anúncios são colocados, enquanto os modelos de CPA são centrados no editor, em que os anunciantes cedem o controle ao editor sobre esses aspectos. Isso se deve à natureza exigente do CPA, o que significa que os editores têm o direito de escolher quais anúncios serão exibidos em seus sites.

Conclusão
Concluindo, considerando o fato de a Web se tornar a primeira escolha para profissionais de marketing neste mundo hiperconectado e hiperconectado 24/7, não é surpresa que o marketing on-line tenha se tornado o curso de escolha em muitas escolas de negócios.